Mês das Mulheres: o avanço feminino nos esportes

Mês das Mulheres: o avanço feminino nos esportes

Por mais que hoje seja comum vermos mulheres jogando tênis, futebol e praticando diversos tipos de esporte, nem sempre o cenário foi assim. Durante muito tempo, a prática esportiva foi dominada pelos homens e, até mesmo, proibida às mulheres. No Brasil, o futebol e outros esportes que exigem força foram proibidos por décadas para as mulheres, com a justificativa de que iam contra a “natureza feminina”. Esse cenário de proibição da participação feminina nos esportes começou em 14 de abril de 1941, com o Decreto-Lei 3199, imposto durante o governo de Getúlio Vargas. 

“Às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza, devendo, para este efeito, o Conselho Nacional de Desportos baixar as necessárias instruções às entidades desportivas do país”, dizia o decreto-lei. Assim, passaram-se décadas em que mulheres eram proibidas de praticar esportes, especialmente futebol. A proibição durou até 1979, e muitas mulheres foram presas nesse período. 

Avanços para as mulheres

Felizmente, de lá para cá, o cenário tem sido mais favorável às mulheres. Mesmo que ainda exista muito preconceito, as mulheres estão ganhando cada vez mais espaço no esporte. Os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, marcados para começar no dia 24 de julho, já mostram esse avanço. A competição terá percentualmente o maior número de mulheres da história. Aqui no Clube do Comércio, contamos com cada vez mais atletas talentosas, principalmente no tênis. Incentivamos que cada vez mais meninas e mulheres pratiquem e participem das atividades esportivas do Clube. 

A funcionária Verônica Pacheco, que trabalha há 39 anos no Clube do Comércio, também percebe esses avanços ao longo do tempo.“ A nova geração do Clube já é bem mais flexível. E acho que devemos continuar na luta,  especialmente neste momento tão difícil que estamos passando na pandemia”, explica Pacheco. Ela também acrescenta: “Ainda é muito tímida a participação de nossas associadas, tanto na administração quanto na parte esportiva. Porém, noto que vem aumentando, quem sabe daqui algum tempo teremos uma mulher na presidência do Clube”.

Por mais que ainda estejamos longe do cenário ideal, muitas mudanças já estão acontecendo. E, todos os dias, trabalhamos para construir um ambiente cada vez mais inclusivo e acolhedor para todas as pessoas. Esperamos que cada vez mais mulheres se encontrem e sejam valorizadas no esporte!